Soft skills: 10 métodos comprovados para ajudar a desenvolver as competências dos colaboradores

As soft skills se referem às competências comportamentais e emocionais dos colaboradores que, sem dúvidas, se refletem na motivação e na produtividade apresentada pelos funcionários.

Soft skills são as competências comportamentais necessárias para ser bem-sucedido no trabalho. Essas habilidades estão cada vez mais em evidência e os times de RH estão de olho em como potencializá-las e revertê-las em sucesso e resultados nos relatórios de desempenho, tanto da instituição quanto dos próprios profissionais.

Em um estudo recente, o Conselho de Recursos Humanos da Forbes descobriu 10 estratégias cientificamente comprovadas que as organizações podem implementar nas suas gestões de pessoas para fazer com que seus colaboradores desenvolvam suas soft skills.

As empresas já perceberam que os colaboradores precisam de muito mais do que competências técnicas para que se tornem uma parte valiosa na instituição. Desbloquear as habilidades que não constam nos currículos e ajudar os membros das equipes a atingirem a totalidade do seu potencial passou a ser uma tendência ainda mais forte em 2020

Neste guest post produzido pela Grou, você vai descobrir quais são os 10 métodos comprovados que podem ajudar a desenvolver as soft skills dos seus colaboradores!

1. Faça uma imersão

Soft Skills: desenvolvendo as habilidades dos colaboradores

Fazer uma gestão de desempenho, como sessões semanais de coaching profissional e tentar se aprofundar ao máximo nas equipes, pode ajudar nesse desenvolvimento. Além disso, programas de mentoria também podem auxiliar e cultivar influenciadores dentro da própria empresa.

De acordo com Courtney Pace, Gestora de Funcionários da FedEx ー maior empresa do mundo de envio e recebimento de remessas, documentos e artigos diversos ー, centralizar o desenvolvimento das soft skills dos colaboradores nos próprios locais de trabalho faz com que eles continuem tentando melhorá-las de uma forma mais natural e orgânica.

2. Crie uma cultura de mentoria

Orientar e estar disponível é o segundo passo para começar a desenvolver as habilidades naturais dos profissionais da sua organização.

Caso não seja possível realizar programas mais formais e individuais, tente incluir a conversa e apoio na própria cultura organizacional do seu negócio. 

Assim, todos estarão criando uma mentalidade de ajuda mútua. Ah, não se esqueça de fazer com que o ambiente seja leve e saudável para que as pessoas se sintam confortáveis em partilhar suas experiências e expertises umas com as outras. 

3. Torne as soft skills mais tangíveis e mensuráveis

Por mais que as soft skills sejam o “fator x” que diferencia os talentos dos candidatos, essas habilidades foram bastante desvalorizadas por muito tempo e consideradas pouco importantes perto das hard skills ー aquelas encontradas no currículo.

Graças à transformação digital, hoje em dia já é possível mensurar essas competências e torná-las mais “reais”. Afinal, todo mundo gosta de dados e informações que revelam números expressivos, principalmente quando proporcionam, também autoconhecimento.

Algumas tecnologias, como avaliações de resiliência no ambiente de trabalho e capacidade de julgamento gerencial, são ótimos investimentos que podem trazer ainda mais realidade à tendência do People Analytics e tornar as soft skills mais perceptíveis.

4. Ofereça feedbacks sempre que puder

Praticar a devolutiva dos resultados dos colaboradores é um grande diferencial no desenvolvimento das competências.

As soft skills são como músculos: quanto mais se pratica, mais se desenvolve e fortifica.

Por isso, o feedback contínuo permite que um profissional se autoanalise e perceba no que precisa melhorar.

5. Sirva de exemplo

Quando os líderes se mostram como eternos aprendizes e encorajam seus times a focarem no desenvolvimento das habilidades, sejam elas quais forem, se tornam muito mais do que apenas gestores.

Colocar-se como alguém que também aprende faz com que seus colaboradores vejam que você está aberto ao diálogo e que também está se desenvolvendo a todo segundo ー aprendendo e ensinando.

Além do mais, participar de programas e compartilhar suas experiências positivas com os membros da sua empresa motiva e mostra que é possível, sim, se aprimorar e crescer.

6. Implemente o aprendizado 

Aprender sobre as soft skills e hard skills é, definitivamente, muito importante, mas é apenas parte da equação.

Os colaboradores precisam ser capazes de aplicar essas habilidades não só dentro, como, também, fora do contexto de trabalho.

Tente implementar jogos corporativos que coloquem em prática, de fato, o desenvolvimento dessas competências e faça com que eles se sintam dispostos a absorver cada vez mais e de formas diversas.

7. Alinhe as soft skills que são importantes para a sua empresa

Por mais que você, internamente, saiba o que os colaboradores da sua organização precisam para cada cargo, é muito importante definir e alinhar com o que, de fato, a cultura organizacional requer.

Imagine a sua empresa é uma start up super descolada, com ideias inovadoras e um propósito completamente tecnológico. Você vai precisar um profissional que tenha, ao menos, os mesmos ideais e facilidades de absorver o que a sua empresa precisa, certo? Por isso, definir essas soft skills desde o começo vai lhe poupar tempo ー e dinheiro, no caso de uma contratação errada.

8. Faça treinamentos de soft skills

Por mais que elas sejam naturais, as competências socioemocionais são totalmente treináveis! Você pode proporcionar momentos de treinamento de comunicação criativa, por exemplo, com palestras internas, sugerindo maior integração e sinergia na sua equipe, e seus colaboradores vão poder socializar e colocar à mostra suas habilidades comunicativas.

9. Gamifique o que puder

Imagine que sua gestão é um desafio e que os colaboradores são jogadores. Quando você estimula games interativos com objetivos em comum dentro da empresa, como resultados e maiores conquistas, você consegue que todos embarquem nessa jornada com você!

Criar jogos corporativos que gamifiquem as equipes e as tarefas do dia a dia favorece a imaginação e a tomada de decisão nos membros do time. Além do que, a gamificação da jornada de trabalho é uma das tendências para o RH em 2020!

10. Mensure

Sim, gere indicadores e transforme dados numéricos em fundamentos para motivar a sua equipe!

Você só gerencia aquilo que mensura, então use e abuse das tecnologias já disponíveis no mercado e apresente esses resultados para os seus colaboradores, proporcionando autoconhecimento e entendimento da equipe para você também.

Mostrar o que cada um tem de potencial e limitação faz com que a visão interna foque no que realmente importa: uma gestão assertiva e que retenha a maior quantidade de talentos que podem levar a sua empresa além!

É possível perceber que, se a pessoa tem competências socioemocionais bem desenvolvidas, ela consegue canalizar a sua energia de maneira a ser capaz de contornar os efeitos de circunstâncias negativas. Isso evita transtornos no trabalho e ainda diminui os níveis de ansiedade.

A partir dessas constatações, fica evidente que as competências socioemocionais figuram como um diferencial competitivo para as empresas, atuando como agente facilitador para profissionais e negócios de alta performance.

Gostou do conteúdo? Este artigo foi escrito pela equipe da Grou, uma empresa que oferece soluções e ferramentas para gestão comportamental que vão ajudar a sua empresa a embarcar nessa jornada rumo a um RH inteligente!

teste grátis 14 dias