Recursos Humanos: as principais rotinas do setor de RH

Para além de processos burocráticos, as rotinas do Recursos Humanos incluem tarefas estratégicas como o desenvolvimento de funcionários e a gestão de benefícios em prol da retenção de talentos.

Processo seletivo, avaliação de desempenho, gestão de pessoas e mais. Você conhece bem as atribuições do setor de Recursos Humanos (RH) de uma empresa?

Entender melhor o que fazem os profissionais de Recursos Humanos e quais são suas principais rotinas é algo que favorece a atuação estratégica do setor. Ao longo da leitura, você vai perceber que o RH pode ter papel determinante para o sucesso de uma empresa.

Foi pensando nisso que preparamos um conteúdo especial sobre o assunto para dar a você um panorama das principais atividades que o setor de RH tem a cumprir e sua relevância Acompanhe e tire suas dúvidas!

História e evolução do setor de Recursos Humanos

As principais rotinas do RH

Fazer um breve resgate histórico para abordar o papel estratégico do setor de Recursos Humanos não é mero preciosismo. Entender a evolução pela qual o RH passou no que diz respeito ao seu papel dentro de uma organização é fundamental para entender sua relevância.

Ainda no final do século XIX, com os desdobramentos da Revolução Industrial a todo vapor, o setor de RH foi criado para ser o responsável por intermediar os objetivos da empresa com os objetivos de seus funcionários.

Esse conceito permanece até os dias de hoje, mas o caminho para se chegar a isso, na prática, não foi fácil. Foi só em meados da década de 1930 que o fator psicológico dos trabalhadores realmente começou a ser considerado.

À época, empregadores começaram a perceber que não bastava cobrar produtividade de seus funcionários e que, para alcançar os resultados desejados, era preciso pensar no bem-estar dos responsáveis pela produção ou prestação de serviços.

Depois da II Guerra Mundial, novas teorias administrativas surgiram e contribuíram para o entendimento de que o setor de Recursos Humanos poderia e deveria ter uma atuação diferente. A ideia era conciliar a busca de metas, mantendo a atenção ao desenvolvimento dos funcionários.

Da burocracia à atuação estratégica

Esse entendimento do papel do RH foi fundamental para a evolução do setor. Por muito tempo, porém, o Recursos Humanos seguiu sendo visto puramente como responsável por resolver burocracias.

Gestão de recursos humanos, administração de recursos humanos ou simplesmente gestão de pessoas são algumas das nomenclaturas para a atividade que representada pela sigla RH.

Se pararmos um instante para pensar, os recursos humanos de uma organização ― assim, com letras minúsculas para diferenciar do setor ― são as pessoas. Algo que nos leva a ideia de que, por um período, fazia sentido compreender o RH como o setor responsável por cuidar das burocracias relativas ao processo de seleção ou desligamento de funcionários.

Gradativamente, porém, isso foi mudando. A sigla RH carrega consigo um conjunto de métodos, políticas, técnicas e práticas cuja aplicação vai além das questões burocráticas, ainda que isso também possa fazer parte das rotinas do setor.

Para entender o que é Recursos Humanos ou o que é gestão de recursos humanos de fato, é preciso considerar que estamos falando da administração dos comportamentos de pessoal da empresa visando a conquista de melhores resultados.

Com isso, entre a seleção e a demissão de funcionários, o RH gerencia o capital humano de uma empresa de modo a direcionar o desenvolvimento dos profissionais e, como consequência, contribuir para a conquista de metas e para o sucesso da empresa.

Recursos Humanos x Departamento Pessoal

Logo mais, você vai ver que apontamos o Departamento Pessoal (DP) como uma das possíveis divisões do setor de Recursos Humanos. Quer essa divisão seja praticada em sua empresa ou permaneça apenas no campo ideológico, é importante entender que há diferenças expressivas.

Falamos de forma mais detalhada sobre o assunto no post Qual a diferença entre RH e Departamento Pessoal? em que apresentamos o RH como um setor responsável pela gestão de pessoas e o DP como aquele que se encarrega das burocracias.

Assim, para que você não tenha dúvidas sobre essa questão, entenda que é comum que o Departamento Pessoal seja o setor responsável pelos processos de admissão e demissão de funcionários, assim como por tarefas como o controle do registro de ponto para o fechamento da folha de pagamento.

As (possíveis) divisões do setor de Recursos Humanos

A referida missão de buscar resultados para a empresa sem desconsiderar a importância do desenvolvimento dos profissionais só pode ser cumprida uma vez que o setor de Recursos Humanos entende como alinhar suas próprias políticas ― métodos, técnicas e afins ― à estratégia e à missão da organização.

Esse entendimento, inclusive, precisa fazer parte de todas as análises e decisões tomadas pelo RH. Algo que vale para o desenvolvimento de estratégias, para a adoção de técnicas ou para o uso de ferramentas de gestão, por exemplo.

Sabendo disso, fica mais fácil entender que as rotinas do RH podem ser muito mais complexas e estratégicas, indo além do desafio de lidar com a papelada da admissão ou da demissão de funcionários, não é mesmo?

De forma resumida, as responsabilidades do setor passam por: prover, aplicar, manter e monitorar os recursos humanos da empresa, atuar pelo seu desenvolvimento e resolver problemas internos.

Tudo isso tem o objetivo de evitar entraves à conquista das metas estabelecidas pela empresa e criar condições para o sucesso. Assim como também tem o propósito de contribuir para a criação de condições que levem a empresa a alcançar suas metas.

Para tanto, o setor de Recursos Humanos pode englobar ou ser dividido, ainda que apenas no campo das ideias, considerando as possibilidades abaixo:

  • Departamento pessoal ― voltado para lidar com as burocracias do RH, além de garantir o cumprimento da legislação trabalhista;
  • Recrutamento e seleção ― que tem por objetivo atrair e selecionar talentos para compor o quadro de funcionários da empresa;
  • Remuneração ― voltado para a definição das atribuições de cada cargo da empresa e de um sistema de remuneração correspondente e adequado;
  • Segurança do trabalho ― que tem por objetivo garantir que a empresa oferece condições seguras para a atuação de seus funcionários de modo a evitar o risco de doenças laborais e acidentes;
  • Benefícios ― voltado para a gestão dos benefícios que são concedidos pela empresa, como vale-alimentação, plano de saúde e outros;
  • Relações sindicais ― a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) é apenas um dos instrumentos que regula a relação entre empregadores e empregados.

Acordos ou convenções coletivas firmadas com os sindicatos laborais também devem ser considerados, sobretudo por terem prevalência com relação à CLT.

Sua elaboração surge de negociações entre o sindicato patronal e o laboral ou entre a empresa e o sindicato laboral. Um processo que conta com a atuação do RH para definir regras interessantes para as partes envolvidas;

  • Plano de carreira ― a existência de um plano de carreira está entre os fatores que contribuem para a atração e retenção de talentos e é feita com auxílio do Recursos Humanos da empresa;
  • Clima organizacional ― o clima é reflexo da forma como os funcionários se sentem em uma empresa e um dos papéis do RH é atuar para que este seja o melhor possível.

Essas divisões ou áreas englobadas pelo setor contribuem para ampliar a visão do que é o Recursos Humanos. Conhecê-las, porém, pode não ser o suficiente para que você entenda de forma mais aprofundada qual é a função do RH. Por isso, vamos às principais rotinas do setor.

As principais rotinas do RH de uma empresa

As principais rotinas também podem ser entendidas como as principais obrigações do setor de Recursos Humanos de uma empresa. 

Para apresentá-las, estabelecemos uma ordem apenas para dar um senso de tudo o que pode demandar a atenção dos profissionais do RH no dia a dia e de tudo o que há de responsabilidades para o setor. Para tanto, incluímos a seleção e o desligamento de funcionários, mas não nos limitamos a isso. Veja só!

Recrutamento e seleção de profissionais

Entre as preocupações frequentes das empresas estão a de formar um quadro de profissionais altamente qualificados e a de conseguir reter seus talentos para evitar a perda de capital humano.

A conquista desses dois objetivos, inclusive do segundo, passa por ações que começam ainda na fase de recrutamento e seleção de novos funcionários, também referida como R&S.

Como mencionado, para alcançar seus objetivos o RH precisa alinhar as próprias políticas aos objetivos e à missão da empresa. Algo tem impacto no desenrolar de todo o processo que culmina na contratação de profissionais para as vagas em aberto.

O setor de Recursos Humanos precisa usar bem o dinheiro e o tempo que tem disponível para encontrar um novo funcionário. Além disso, precisa escolher criteriosamente seus canais para a divulgação das vagas e elaborar um processo de seleção que aumente as chances de acerto na contratação.

A escolha inadequada de profissionais pode comprometer a rotina interna, o clima organizacional e os resultados. Consequentemente, pode forçar a perda de dinheiro ou a geração de custos que estão envolvidos em um processo de demissão e de uma nova rodada de recrutamento, seleção e treinamento.

Por outro lado, uma escolha adequada contribui para que a empresa tenha profissionais alinhados aos seus valores e que sejam capacitados para contribuir da forma esperada. Algo que favorece a satisfação dos funcionários e sua permanência na casa.

Integração de novos funcionários

Enquanto a burocracia do processo de admissão de funcionários fica por conta do Departamento Pessoal, o RH tem a função de agir a favor da integração dos novos contratados.

Quanto a isso, convém ressaltar que o setor de Recursos Humanos não atua de forma isolada. Além da ligação com o próprio DP, por exemplo, o RH também se conecta diretamente com a gestão e com as lideranças da empresa.

Chamamos atenção a essa questão porque a integração de novos funcionários depende da atuação do RH, mas também dos líderes que também têm o papel de orientar e acompanhar os recém-chegados.

A tarefa do Recursos Humanos é conhecida como onboarding que, na tradução livre para o português, significa embarcar, mas que no contexto corporativo pode ser entendida como:

“um processo de adaptar um novo colaborador à cultura da empresa, ou seja, um método para assegurar a ambientação dele junto aos outros funcionários, envolvendo diversas etapas, como orientação, supervisão, acompanhamento e, finalmente, o treinamento”.

Avaliação de desempenho

Quantas vezes a preocupação com a produtividade dos funcionários foi a razão de seus pensamentos ou assunto central de conversas na empresa? Eventualmente, percebe-se que os resultados não condizem com o esperado, mas nem sempre consegue-se entender o porquê.

A atuação dos profissionais da empresa não é o único fator que pode impactar os resultados, há outras questões internas e também questões externas que precisam ser consideradas.

Apesar disso, é importante que a empresa tenha conhecimento do quão produtivos seus funcionários são, até mesmo para descobrir se há algo a ser feito para alcançar melhorias. Para tanto, é válido mensurar o desempenho dos profissionais considerando um intervalo de tempo.

Para cumprir essa tarefa, o setor de Recursos Humanos pode recorrer a diferentes tipos de avaliação de desempenho que, em geral, têm por objetivo:

  • reconhecer a produtividade o engajamento dos funcionários;
  • identificar comportamentos negativos;
  • esclarecer quais são os anseios da equipe;
  • constatar a efetividade dos treinamentos.

Desenvolvimento e treinamento

Por falar em treinamentos, eles fazem parte das rotinas da gestão de recursos humanos assim como a adoção de outras estratégias que tenham como foco o desenvolvimento profissional de cada funcionário.

Isso significa que parte do trabalho do RH é enxergar os trabalhadores individualmente e não apenas como parte do todo. Algo que se faz necessário para que suas potencialidades pessoais sejam identificadas e, então, aprimoradas e aproveitadas.

Para que você tenha mais clareza do que estamos falando, o processo de “construção” de uma futura liderança dentro da empresa pode contar com a intervenção do RH.

Uma boa gestão de recursos humanos permite a identificação de funcionários que, além de capacidade técnica ou hard skills, também têm domínio de soft skills que são fundamentais para o crescimento na carreira. Assim, o RH pode orientar o desenvolvimento da capacidade de comunicação, liderança, inteligência emocional e mais.

Esse desenvolvimento, porém, não deve ser focado exclusivamente em quem pode ocupar cargos hierárquicos mais elevados.

Política de benefícios

Anteriormente, já mencionamos que a análise de cargos e salários está entre os pontos englobados pelo setor de Recursos Humanos, mas vamos focar agora na questão dos benefícios.

Uma empresa pode oferecer diferentes tipos de benefícios para seus funcionários como o vale-alimentação, o plano odontológico, a bolsa de estudos e até o horário flexível. A escolha por parte da empresa, porém, não deve considerar aquilo o que soa mais legal, mas sim aquilo o que é mais adequado para os diferentes perfis de profissional que compõem seu quadro de funcionários.

Se sua empresa decide ofertar um vale combustível, por exemplo, precisa estar atenta ao fato de que alguns funcionários podem não ter carro ou morar perto o bastante do trabalho para preferir outro tipo de benefício.

Funcionários com filhos podem preferir um plano de saúde mais robusto, enquanto outros podem gostar mais de um convênio para desconto na mensalidade de uma academia da cidade.

A adequação das escolhas, assim como a distribuição dos benefícios com base nas preferências de cada funcionário é um trabalho de gestão que também aparece entre as responsabilidades do RH. O mesmo vale para a eventual revisão e readequação dessas escolhas.

Monitoramento de estratégias

Para que você siga entendendo cada vez melhor qual é a função do RH, precisamos mencionar aqui a tarefa de monitoramento e gestão das estratégias que fazem parte da política do setor.

Um bom processo de recrutamento e seleção pode, a partir de determinado momento, começar a falhar. As estratégias de integração de novos funcionários podem ficar ultrapassadas. O trabalho de desenvolvimento dos profissionais pode deixar de gerar resultados e por aí vai.

Isso indica que monitorar e avaliar as próprias estratégias é algo que precisa fazer parte da rotina do RH. Algo que também vale para orientações e medidas adotadas para auxiliar a comunicação interna e o clima organizacional.

Quando falamos sobre a aplicação da análise SWOT na gestão de pessoas ― o que passa pelo uso da ferramenta pelo setor de Recursos Humanos ―, apontamos que o RH está habituado a lidar com subjetividade e isso é algo que precisa ser sempre lembrado.

O RH de uma empresa, como você sabe e como apontamos ainda no início deste post, lida com as pessoas, os recursos humanos, o capital humano de uma empresa. Com isso, está sujeito a lidar com mudanças constantes e, consequentemente, precisa se dedicar ao monitoramento e avaliação crítica de toda a sua atuação. É isso o que garante que o setor siga evoluindo para atuar estrategicamente.

Desligamento de funcionários

Talvez você tenha reparado que, quando falamos sobre as atribuições do setor de Recursos Humanos, preferimos falar em desligamento de funcionários e deixamos a demissão com o DP.

Essa variação na forma de apresentar a situação não é uma regra e optamos por segui-la aqui por questões didáticas. A burocracia do processo de demissão segue com o Departamento Pessoal, mas o RH também tem seu papel diante dessa situação.

Isso porque é importante que a empresa faça mais do que acertar o aviso prévio, fazer os cálculos e pagar as verbas rescisórias. Uma entrevista demissional pode ser muito importante para otimizar as políticas do setor de Recursos Humanos e até mesmo da empresa como um todo.

Especialmente quando um funcionário pede demissão, é interessante realizar uma conversa para entender seus motivos e colher feedbacks construtivos que podem ser usados a favor da empresa.

O clima organizacional deixou a desejar? O profissional não se sentia à vontade para apresentar suas ideias? O plano de carreira não é atraente? Os benefícios não influenciam a permanência das equipes?

Instigar o funcionário a ser sincero contribui para que a empresa enxergue pontos cegos, ou seja, que identifique questões relevantes que podem passar despercebidas.

Recursos Humanos como setor estratégico e tecnológico

Acreditamos que conhecer melhor as principais rotinas que fazem parte da gestão de RH contribui para entender como esse setor é ou pode ser estratégico dentro de uma empresa.

Uma empresa que contrata melhor, cria um ambiente mais propício para o desenvolvimento e o bem-estar de seus profissionais e adota medidas para mantê-los em seus quadros têm vantagens no mercado.

Além de reduzir custos provocados pelo turnover elevado, certifica-se de fazer com que seus talentos sejam devidamente aproveitados para que tanto os profissionais quanto o próprio negócio alcancem o sucesso.

O RH, com o aval da gestão da empresa, é o centro dessa estratégia de valorizar e administrar bem os recursos humanos. Algo que requer não só uma evolução no entendimento do papel do setor, mas também da adoção de ferramentas que contribuam para essa atuação relevante.

O RH estratégico também é chamado de RH inteligente ou RH 4.0. O nome se baseia na revolução 4.0, a quarta revolução industrial que é caracterizada pelo uso de softwares de automação e da inteligência artificial.

Esse RH inteligente, por sua vez, baseia-se no uso da tecnologia e também da inclusão da gestão de pessoas no planejamento estratégico da empresa, de forma a garantir o alinhamento necessário. Por fim, conta ainda com a gestão comportamental que se pauta no uso das tecnologias entender como gerenciar pessoas de forma mais eficiente.

Não vamos entrar em detalhes sobre os tipos de tecnologia que impactam a gestão de pessoas, mas fazemos menção a existência delas em razão de sua função nas rotinas do RH.

Considere, por exemplo, o uso software de recrutamento para otimizar a seleção de novos funcionários ou de uma ferramenta como o People Analytics para melhor entender o comportamento dos profissionais da empresa. Falamos de tecnologias podem fazer a diferença para que o RH tenha melhores condições para atuar estrategicamente.

Em resumo, entender que soluções tecnológicas têm aplicação no setor de Recursos Humanos para além de digitalização é importante para que sua empresa realmente evolua.

Sair do RH burocrático para o RH estratégico requer mudança de percepção por parte da gestão da empresa, mais autonomia para os profissionais do setor e também o uso de ferramentas que favoreçam a aproximação das políticas do setor aos objetivos da empresa.

Este post lhe foi útil? Se você quer continuar aprendendo sobre a atuação estratégica do setor de RH, aproveite para ler sobre Quem é o gestor de Recursos Humanos do futuro!

teste grátis 14 dias