Gestão de Talentos: Entenda Esse Conceito e Comece a Colocar em Prática na Sua Empresa

A gestão de talentos é o conjunto de práticas e ações que visam garantir a contratação de bons profissionais, seu treinamento e retenção. Algo que beneficia não só os próprios talentos, como a organização como um todo.

Tempo de Leitura: 14 minutos

Última atualização em 9 de novembro de 2021

O que você entende por gestão de talentos? Toda empresa quer contar com os melhores profissionais do mercado, mas é preciso haver um esforço contínuo e bem planejado para que isso ocorra.

A gestão de talentos humanos começa antes da contratação, com a análise das demandas da empresa e a definição do perfil profissional buscado, e tem continuidade no dia a dia de trabalho.

Essa atividade traz importantes consequências para o gerenciamento das pessoas do time e as definições de quais caminhos a equipe deve seguir rumo ao seu crescimento e desenvolvimento.

Tudo isso envolve entender o “talento” de forma estratégica e, então, arquitetar decisões e colocá-las em prática visando atrair, reter e contar com o máximo desempenho desses profissionais tão valiosos.

Continue a leitura do post para entender o que é gestão de talentos e como implementá-la adequadamente!

O que é talento para o RH

Gestão de talentos

Já se perguntou o que é talento para a gestão de pessoas? Constantemente, o RH e a alta gestão mencionam a importância de contar com talentos nos quadros da empresa.

Modelo de Contrato Home Office

Com isso, fica subentendido que todos entendem o conceito por trás da palavra “talento”, mas nem sempre é assim. Por essa razão, vamos a uma breve explicação.

Talentos são pessoas alinhadas à cultura da empresa e aos seus valores e que desempenham suas funções com excelência, alcançando a alta performance.

Em geral, são pessoas que se destacam na conquista de metas ou nas análises de desempenho feitas pelo RH. Dessa forma, são entendidas como um diferencial para a organização.

Seu talento faz com que esses profissionais sejam os mais visados para assumir posições ou projetos desafiadores dentro da empresa.

Talentos são valiosos e muito requisitados pelo mercado. Costumam ser os principais alvos do processo de hunting em RH, assim como os profissionais que ocupam cargos de gestão.

Não deixe de conferir também:
👉 Recrutamento online: o que é e como fazer?
👉 Capacitação interna: investindo em sua equipe
👉 Recrutamento externo: entenda as melhores práticas
👉 Recrutamento e seleção por competências: como implementar?

O que é gestão de talento

Agora que explicamos o que é talento, podemos passar para o que é gestão de talentos. Para isso, preparamos um conceito:

Gestão de talentos é o conjunto de práticas e ações que visam garantir a contratação de bons profissionais, seu treinamento e retenção. Algo que ajuda a aumentar os níveis de engajamento, motivação e os resultados da organização.

Sendo assim, falamos de algo que envolve diretamente o setor de Recursos Humanos e que interessa também à alta gestão da empresa.

Tudo isso tem algumas razões importantes para acontecer, a começar pelo fato de que, para conseguir contratar talentos, uma organização precisa se tornar atrativa e capaz de vencer a “disputa” por profissionais tão cobiçados.

Assim, as ações podem envolver desde mudanças mais simples no processo de recrutamento e seleção até uma mudança mais profunda na cultura da empresa.

Tendo isso em mente, podemos destacar alguns dos princípios da gestão de talentos. São eles:

Gestão de talentos versus gestão de pessoas

É importante esclarecer que o termo “gestão de talentos” não é, simplesmente, uma forma mais atrativa de falar sobre gestão de pessoas.

A gestão de pessoas é algo que existe há muito mais tempo, com foco nos trabalhadores e em seus processos.

Com o passar dos anos, essa gestão foi focando cada vez mais no lado humano, das relações e do bem-estar, atuando de forma mais estratégica para maximizar o potencial dos funcionários da empresa.

A gestão de talentos faz parte disso, mas é mais específica e, ainda, tem um foco maior no futuro.

A evolução dentro do RH

Para aprofundarmos um pouco mais no assunto, vamos a um panorama da evolução da gestão de talentos dentro do RH.

RH tradicional

O RH surgiu como um setor burocrático e pouco estratégico. Suas atribuições tinham relação apenas com contratação e demissão, folha de pagamentos e gestão de benefícios.

A gestão das pessoas era feita pelos líderes de cada equipe, sendo que o RH pouco ou nada se envolvia com essa questão.

Gestão de pessoas

Gradativamente, a relevância do capital humano foi se tornando mais clara para os empregadores. Assim, a situação começou a evoluir e uma gestão de pessoas mais ativa e intencional entrou em cena.

Gestores, aliados ao RH, começaram a desenvolver estratégias para o recrutamento e desenvolvimento dos profissionais

Assim, treinamentos também passaram a fazer parte da realidade do setor, além da já conhecida burocracia.

Gestão de talentos

Enfim, a gestão de talentos se faz presente quando a percepção de que é preciso cuidar do lado humano dos profissionais é maximizada.

Mais do que pensar no profissional como uma ferramenta a serviço da empresa, temos aqui a preocupação com seu bem-estar, sua saúde mental e suas demandas, visando criar um ambiente propício para sua evolução e atuação.

As estratégias de gestão de talentos focam no futuro porque visam resultados a longo prazo. Sua complexidade demanda o envolvimento não só do RH, mas de todos os gestores da organização.

A alta gestão também participa, sobretudo porque tem voz ativa na mudança ou adequação da cultura organizacional envolvida em todo o processo.

Principais processos envolvidos

Processos da gestão de talentos

Entender o que é gestão de talentos demanda conhecer também os principais processos envolvidos nessa atuação do RH. Vamos a eles!

Mapeamento de talentos

Há quem pense que a gestão de talentos começa com a atração e contratação desses profissionais, mas há um processo essencial que precisa ser realizado antes: o mapeamento.

Mapear os talentos é, na verdade, definir o que é esperado para cada posição a ser preenchida na empresa e quais são os caminhos para encontrar esses profissionais.

Assim, antes de olhar para fora, a empresa precisa olhar para dentro. Com a ajuda dos gestores de cada equipe ou setor, é preciso definir qual perfil de profissional é buscado para atender as demandas da empresa.

Essa análise permite, inclusive, que os gestores mapeiem os talentos que já existem nos quadros da organização.

Atração de talentos

Sabendo o que procura, a empresa precisa iniciar suas ações para a atração de talentos.

Antes de divulgar as vagas ou partir em uma busca ativa, o RH precisa voltar seus esforços para a construção de um ambiente atrativo. Para tanto, vale investir em employer branding.

O desenvolvimento consciente da marca empregadora tem justamente a finalidade de melhorar a visão externa da empresa e atrair os talentos do mercado.

Algo que começa com a atenção àqueles que já fazem parte da organização, suas necessidades e expectativas.

Recrutamento de talentos

O processo de recrutamento e seleção está entre as mais antigas atribuições do RH. Uma empresa que deseja fazer uma boa gestão de talentos e atraí-los precisa sair ter consciência de que esse processo evoluiu.

Atualmente, é possível contar não só com as redes sociais, mas também com softwares específicos que ajudam, entre outras coisas, a determinar o perfil de cada candidato.

Isso porque o recrutamento por competências de talentos aumenta as chances de sucesso em resposta ao planejamento e aos esforços do RH.

Seleção de talentos

A seleção dos talentos precisa ser igualmente criteriosa, considerando sua adequação técnica para o cargo e suas soft skills.

É sempre necessário lembrar que talentos não têm um papel comum dentro das organizações. Espera-se que esses profissionais sejam capazes de assumir projetos ou cargos que demandam experiência, conhecimento e tato para lidar com os desafios.

Sendo assim, é importante que as conversas, testes e dinâmicas sejam bem elaborados, capazes de melhor direcionar essa seleção.

Treinamento e desenvolvimento de talentos

Programas de treinamento e desenvolvimento também fazem parte da rotina de um RH focado na gestão de pessoas. Com a gestão de talentos não haveria de ser diferente.

Ainda que se espere que talentos estejam em boas condições de cumprir com suas responsabilidades, treiná-los pode ser uma excelente estratégia para aumentar sua confiança e potencializar seu preparo.

Vale lembrar que dificilmente encontramos um profissional 100%, se é que isso é possível. Assim, até mesmo os melhores talentos podem se beneficiar e beneficiar a empresa se participarem de ações de desenvolvimento.

Checklist do RH

Criação do plano de carreira

Atrair, contratar e treinar são ótimas ações de gestão de talentos, mas a atuação do RH não pode parar por aí.

Na verdade, até mesmo para despertar o interesse dos melhores profissionais do mercado, ainda no processo de abordagem e entrevista, a empresa deve estar preparada para apresentar um plano de carreira.

Talentos não são talentos sem motivo. São profissionais que têm expectativas para suas carreiras e suas vidas pessoais

Assim, precisam saber que a organização também tem planos e precisam da oportunidade de analisar se há uma identificação aí.

Saber qual seu ponto de partida e quais são suas perspectivas dentro da empresa influencia seu interesse, assim como seu engajamento e motivação.

Avaliação do desempenho

Por fim, faz parte do processo de gestão de pessoas a avaliação do desempenho.

Quando o RH busca formas de verificar o desempenho dos funcionários, consegue entender se suas estratégias estão sendo eficazes ou não.

Pesquisas de clima, satisfação e outras podem ser feitas com o auxílio de um software de gestão, e há ainda outros recursos de avaliação que podem ser aplicados com base na expertise do próprio RH.

Benefícios da gestão de talentos

Benefícios da gestão de talentos

Uma gestão de talentos sólida e bem feita não depende somente do RH. Além dos gestores ou lideranças de cada equipe e setor, a alta gestão da empresa também precisa fazer parte.

Quando passamos pelos principais processos da gestão de talentos, você pode notar que há ações complexas, que demandam planejamento e investimento, além de engajamento das partes envolvidas.

Somente assim é possível colher os benefícios que se aplicam à vida dos funcionários da empresa e à organização como um todo. Confira abaixo as principais vantagens:

  • aumento capacidade para atrair talentos externos;
  • identificação de alocação de talentos internos;
  • melhoria do clima organizacional;
  • aumento dos níveis de motivação e engajamento;
  • redução da rotatividade;
  • economia de recursos pela redução da rotatividade
  • melhoria da produtividade e dos resultados;
  • fortalecimento da cultura organizacional;
  • fortalecimento da employer brand;
  • impactos positivos na satisfação dos clientes.

Melhores práticas na gestão de talentos

A lista de benefícios indica por que implementar a gestão de talentos é algo que vale a pena. Para ajudar, separamos algumas dicas ou melhores práticas que podem ajudar seu RH e sua empresa. Veja só!

1. Dê atenção às mudanças do mundo corporativo

O ponto de partida para a gestão de talentos é entender que o mundo corporativo mudou. Isso é algo que precisa estar claro para o RH e para os gestores.

As pessoas à frente da gestão de talentos não vão ser capazes de alcançar os resultados que desejam se não souberem alinhar suas demandas à realidade. Suas estratégias precisam ser coerentes com as possibilidades e demandas atuais.

Quer um exemplo disso? Atualmente, um dos principais diferenciais que uma empresa pode oferecer é a jornada com horário flexível.

Muitos profissionais, dentre eles, muitos talentos, gostariam de ter essa possibilidade e, para oferecê-la, sua empresa precisa adequar seus processos e sua cultura.

2. Otimize o recrutamento com foco em competências

Mencionamos isso anteriormente, mas vale repetir que o processo de recrutamento e seleção passou por uma evolução.

Além do uso da tecnologia como aliada, o RH precisa considerar a experiência do candidato em suas interações com a organização.

Um dos motivos é que a qualidade dessa experiência pode ser determinante para o aceite de um talento. 

Outro é que, ainda que um contato não culmine em nova contratação, a experiência positiva gera propaganda positiva.

A seleção focada em gestão de talentos precisa refletir os valores da empresa tanto para alinhar expectativas quanto para fortalecer a marca empregadora

Além do mais, é importante que haja um trabalho prévio de definição das competências. Assim, aumentam-se as chances de fit cultural e de sucesso nos resultados.

3. Fuja do perfil usual de funcionário

A contratação e gestão de talentos é ainda mais estratégica do que uma contratação mais convencional.

O RH precisa enxergar fora da caixa para desenhar um perfil diferenciado e, então, partir em busca de profissionais que atendam aos requisitos.

Fazer isso é interessante porque, como dissemos anteriormente, uma empresa tem expectativas específicas com relação aos talentos contratados. 

É preciso haver um alinhamento entre o perfil desse profissional e os objetivos de negócios da organização.

Assim, não basta tentar preencher a vaga considerando apenas métodos tradicionais de recrutamento e seleção.

A empresa deve explorar suas possibilidades, inclusive considerando a parceria com outras organizações que tenham o tipo de talento buscado.

4. Tenha um programa de onboarding

A implementação de um programa de onboarding é bem-vinda frente a qualquer nova contratação, e não seria diferente na gestão de talentos.

O onboarding deve ser visto como parte do processo seletivo e deve ser realizado com o objetivo de facilitar a adaptação do novo funcionário, assim como instigar seu engajamento.

5. Incentive os colaboradores

É sempre bom lembrar que a gestão de talentos não foca somente em recém-chegados. A empresa pode ter talentos internos e, independentemente disso, direcionar esforços para otimizar a gestão de pessoas.

Assim, cabe ao RH e aos gestores encontrarem formas de compreender as necessidades dos indivíduos e equipes, orientá-los e incentivá-los no dia a dia.

Há diversas formas de fazer isso, por exemplo o feedback, o feedforward e as bonificações.

Temos alguns materiais sobre o assunto, confira:
📚 Pesquisa de clima organizacional: planilha e checklist
📚 Sobrecarga no trabalho: saiba como evitar este mal na sua empresa
📚 Indicadores de RH: dados estratégicos que você precisa acompanhar
📚 Como engajar colaboradores para diminuir as taxas de absenteísmo e turnover?

6. Conheça sua equipe

Pegando gancho no que acabamos de dizer, outra boa prática de gestão de talentos é buscar conhecer o quadro de funcionários, as equipes, e acompanhar um a um.

Gestores podem fazer isso melhor do que o próprio RH e investir nisso faz a diferença para melhorar o clima organizacional e para direcionar o desenvolvimento de cada profissional.

7. Ofereça bons benefícios

Você se lembra de que falamos sobre o plano de carreira? Em paralelo a isso, talentos também se interessam por bons benefícios.

A verdade é que qualquer profissional gostaria de receber benefícios, mas as escolhas feitas pela sua empresa podem ser ainda mais decisivas para a atração e retenção de talentos.

Uma boa gestão de talentos pode englobar também uma boa gestão de benefícios. Um dos primeiros passos é entender que tipo de benefício os talentos, e os funcionários de um modo geral, consideram interessante.

Depois, é preciso ainda cuidar para que, dentro das possibilidades da empresa, cada um receba algo que realmente agregue valor em sua qualidade de vida.

8. Invista em capacitação

Comentamos antes que talentos gostam de saber o que podem esperar de um trabalho porque têm o perfil de profissionais que traçam planos para si próprios.

Com isso em mente, é fácil entender por que a gestão de talentos envolve o investimento em capacitação. Profissionais acima da média gostam de se aperfeiçoar e aproveitam oportunidades de evoluir.

Assim, se você não pretende que sua empresa perca os talentos que conquistou, é importante dar-lhes a oportunidade de aprender mais, estimulando-os à conquista de novas metas.

Conclusão

A gestão de talentos pode ser desafiadora quando sua estrutura ainda inexiste na organização. Isso, porém, é algo que pode ser modificado gradualmente e de forma sólida, desde que haja planejamento e compromisso das partes.

Como vimos, além do RH, gestores também precisam se envolver. Antes que mudanças e ações sejam colocadas em prática, análises do cenário interno devem ser feitas para entender onde a empresa está e onde gostaria de chegar.

Dessa forma, é possível se preparar e atuar de forma estratégica para que a gestão de talentos se inicie antes mesmo do início da busca por estes profissionais no mercado.

E ainda, para que essa gestão faça parte do cotidiano, beneficiando funcionários e organização diariamente.

Achou este post interessante? Temos outro que você também vai gostar: talent acquisition: entenda e veja como aplicar no recrutamento!

Teste

Deixe um comentário