Carreira em W: o Que É e Quais Suas Vantagens?

A carreira em W é um plano de carreira flexível que permite aos colaboradores desenvolver habilidades de gestão enquanto atuam em rotinas técnicas, variando suas atividades e aumentando o engajamento.

Tempo de Leitura: 12 minutos

Última atualização em 24 de agosto de 2021

Criar um plano de cargos e salários que motive os colaboradores é uma tarefa complexa e demanda um trabalho contínuo por parte dos idealizados. É aqui que o plano de carreira em W pode ajudar o time de RH.

A carreira em W possibilita maior flexibilidade e dinamismo aos funcionários, que podem explorar diversas áreas de conhecimento sem se sentirem sobrecarregados por isso.

Esse modelo, junto à carreira em Y, mudou a forma linear como as carreiras eram vistas, nas quais os colaboradores começavam em cargos mais baixos e cresciam sucessivamente até alcançar a posição almejada.

Com essas novas visões, o colaborador pode ser especialista em áreas técnicas de seu conhecimento e gerir equipes à parte.

Conheça mais sobre esse plano de carreira e suas vantagens para a organização e os colaboradores!

O que é o plano de carreira em W

Carreira em W

Há algumas décadas, o plano de carreira era um só: escolher uma empresa, trabalhar a vida inteira nela e ser promovido até chegar a um cargo de gerência ou liderança.

Trabalho remoto

Contudo, essa história normalmente contada por nossos avós não é mais a realidade de hoje. 

Empresas precisam lutar para manter seus colaboradores e estes enfrentam um mercado cada vez mais exigente.

Nesse cenário de constante mudança surgem algumas indagações muito válidas: 

  • líderes serão sempre pessoas que têm somente funções de gestão? 
  • Todo o conhecimento técnico desses indivíduos sairá da linha de produção?
  • O que acontece quando alguém com habilidades de liderança fica preso no campo técnico?

Foi a partir dessa inquietação que novas formas de organizar a força de trabalho surgiram, permitindo que esses indivíduos desenvolvessem não só seu trabalho técnico, mas também liderassem equipes.

A combinação das atividades foi uma das formas de resolver os problemas levantados por esses e diversos outros questionamentos, afinal de contas, estava cada vez mais claro que essas áreas não se excluem, mas, em fato, se complementam.

Aproveite a visita e confira também:
👉 EAD para empresas: será que vale a pena abraçar essa proposta?
👉 Veja por que promover o alinhamento organizacional na sua empresa
👉 Plano de carreira: como funciona e como implementar em sua empresa?
👉 Gestão de talentos: entenda esse conceito e comece a colocar em prática

Como funciona a carreira em W

Para compreender o funcionamento do plano de carreira em W, é necessário entender o que veio antes dele, o plano de carreira em Y.

Nesse plano, o colaborador galga o seu espaço dentro da corporação, mas conforme avança é necessário escolher se suas ambições estão na área da gestão ou se prefere aprofundar-se em seus conhecimentos técnicos.

É nesse momento que muitos talentos ficam confusos e frustrados sobre o seu futuro nas empresas.

Afinal de contas, as ambições e os perfil dos trabalhadores têm mudado com o tempo, e as empresas precisam acompanhar essa movimentação através do plano de cargos e salários.

A carreira em W surgiu como uma solução para essa frustração, e ela nada mais é do que a junção de dois YY.

Esse novo plano consiste no reconhecimento de que os colaboradores podem, sim, ser multifuncionais e que a empresa pode oferecer a estrutura necessária para que sigam suas ambições.

Esse novo cargo pode ser chamado de líder técnico, no qual o profissional pode ser referência em sua área de atuação e ainda assim contribuir para o desenvolvimento e organização da equipe como um tomador de decisões.

Isso permite uma maior mobilidade interna na empresa sem que o funcionário precise passar por todas as etapas de treinamento e ascensão para atuar em uma nova área.

Qual a diferença entre os tipos de carreira

É importante deixar clara a diferença entre a carreira em Y e a carreira em W, mesmo que ela seja discreta. 

Assim, é possível compreender qual dessas melhor se encaixa para a gestão de pessoas em sua empresa.

A carreira em Y oferece ao colaborador uma escolha dicotômica e, de certa forma, definitiva: ou se segue o caminho da gestão ou se especializa em sua área de atuação.

Essa é uma visão que não existe na carreira em W. Nela, o colaborador tem a possibilidade de gerir times e também atuar na sua área de forma plena. 

Aqui, existe um desnivelamento da posição na empresa, flexibilizando cargos e até desburocratizando a organização.

Dessa forma, não existe uma linha contínua que prende o indivíduo em um único escopo de atividades ― ora ele lidera, ora ele é liderado.

É importante salientar que não existe uma resposta certa para a questão que você pode estar se fazendo agora: qual é o melhor modelo de gestão para minha empresa?

É possível que o modelo em W não tenha um bom encaixe até por conta dos colaboradores que já estão presentes na organização. Contudo, é importante ter em mente a diferença entre as gerações.

Enquanto a geração X ou os baby boomers preferem maior estabilidade, a geração Y e Z valorizam uma organização hierárquica mais flexível e sentem-se mais atraídos pela carreira em W.

Quais as vantagens de adotar a carreira em W

Vantagens da carreira em W

Ao definir o que é a carreira em W já ficam claras algumas das vantagens de se adotar esse modelo, já que permite muito mais flexibilidade tanto para o colaborador quanto para a empresa.

Contudo, seus benefícios não param por aí. Confira abaixo por que esse modelo pode causar uma verdadeira revolução em sua empresa.

Os benefícios para as empresas

1. Sistematizar a evolução de cargos

Talvez uma das dificuldades mais claras quando se trata de planos de carreira seja sistematizar de forma clara para todos como a progressão acontece.

Ao permitir que o colaborador desenvolva diversas habilidades durante sua rotina de trabalho, ele estará cada vez mais capacitado para assumir cargos de maior complexidade.

Alguém que ocupa um cargo de liderança, por exemplo, precisa ter as soft skills necessárias para gerir pessoas de forma efetiva. 

A questão é que muitas dessas habilidades só são ensinadas pela exposição à necessidade e pela repetição.

Isso levanta uma questão importante: como alguém que só desempenha atividades técnicas estará preparado para assumir a gestão se não treinou para isso? 

É por conta disso que o modelo híbrido proposto neste texto é tão interessante.

2. Desenvolver uma visão ampla do negócio

Um profissional que trabalha em diversas frentes dentro da empresa desenvolve uma visão muito mais ampla do negócio que aqueles que limitam-se a algumas tarefas diárias.

Não só pela própria exposição, mas também pela necessidade de interação com diversos colaboradores para resolução de problemas e desenvolvimento de projetos.

Assim, esses indivíduos são cada vez mais capacitados para lidar com questões complexas e estratégicas dentro da corporação.

3. Reimaginar o modelo hierárquico convencional

A presença de um organograma é importante para garantir que cada um compreenda sua função dentro da empresa. Apesar disso, pode ser uma estrutura engessante e limitante para os colaboradores.

Assim, o plano de carreira em W permite que haja uma flexibilização sobre quem executa e quem lidera, possibilitando que a liderança seja estabelecida, por projeto, por exemplo.

É uma forma de valorizar habilidades específicas dos colaboradores e também desverticalizar a hierarquia.

Planilha de controle de ponto

4. Aumentar a retenção de talentos

Por estarem em um ambiente que institucionaliza a flexibilidade da hierarquia, focando no resultado, fica claro o porquê de os colaboradores sentirem-se motivados.

A possibilidade de demonstrar suas habilidades em projetos futuros é palpável. Não somente, as características da força de trabalho da nova geração demandam um ambiente mais versátil e capaz de integrar não só o indivíduo, mas também suas ambições.

5. Focar no resultado e melhorar a performance

Quando se está em um ambiente que escolhe as melhores pessoas para liderar projetos ― e não aquelas que ocupam determinado cargo ―, as relações ficam melhores.

Indivíduos que se sentem à vontade em suas competências são mais bem preparados para enfrentar os cenários adversos normalmente apresentados quando novos projetos são iniciados.

Os benefícios para os colaboradores

6. Reduzir os gaps de competência

Especialmente em empresas que estão no começo das suas atividades ou se reinventando, é comum que um mesmo colaborador precise desenvolver várias atividades.

Assim, se desde o começo o colaborador tem contato com diversas áreas liderando e executando as rotinas, ele tende a desenvolver novas competências. 

O resultado é uma satisfação profissional maior e melhores oportunidades para crescer em sua carreira.

7. Aumentar a motivação e satisfação através das oportunidades

Sentir-se motivado para trabalhar é algo bastante pessoal e existem inúmeras técnicas para melhorar esse indicador subjetivo.

Contudo, a carreira em W permite que os colaboradores vejam muitas possibilidades em sua trajetória profissional, gerando assim maior motivação e satisfação com o trabalho.

E isso pode ir além das oportunidades de crescimento, já que a motivação pode surgir da possibilidade de aprender. 

Como o colaborador pode gerir e operar ao mesmo tempo, há inúmeros desafios no dia a dia desse indivíduo que, por sua vez, resultam em mais conhecimento.

8. Promover o aprendizado constante

A estagnação é um problema que empresas mais engessadas costumam enfrentar. 

Por não confrontarem seus colaboradores com novos desafios além de suas rotinas (que com o tempo se mostram mecânicas), não há um claro estímulo externo para aprender novas habilidades.

O aprendizado constante é uma consequência benéfica para os colaboradores que são sempre desafiados em sua rotina.

Como evitar o acúmulo de tarefas

Como nem tudo são flores, existem algumas desvantagens da carreira em W. Uma das mais comuns é a perda de foco com o acúmulo de tarefas.

Dessa forma, é importante que os líderes tenham consciência do limite de cada indivíduo e negocie sempre os termos de cada responsabilidade.

É verdade que uma rotina diversa é estimulante para diversas pessoas, mas nem todas são iguais. Por isso o feedback deve ser algo bastante presente na cultura organizacional.

Como implementar o plano de carreira em W

Compreender o que é o plano de carreira em W é uma coisa, aplicá-lo na prática é completamente diferente. 

Por isso, separamos algumas dicas para que o time de RH da sua empresa tire esse projeto do papel.

Compreenda o perfil dos colaboradores

Seja durante a contratação ou ao implementar mudanças na cultura organizacional, é necessário conhecer o perfil dos profissionais.

Assim, é possível ter insights antecipados sobre a reação sobre a implementação da carreira em W e desenhar testes para compreender como essa metodologia irá se adaptar à realidade da empresa.

Não somente, também é necessário compreender onde mudanças são necessárias para que a equipe esteja culturalmente preparada.

Para entender como a empresa pode desenvolver seus profissionais da melhor forma possível, confira o episódio 15 do Tangerino Talks.

Determine quais setores suportam a carreira em W

Nem todos os setores da empresa conseguem abranger a carreira em W, com ênfase para aqueles que contam com poucos colaboradores e têm tarefas bastante específicas.

Um exemplo prático dessa situação é um almoxarifado com somente 3 ou 4 colaboradores. 

Aqui, como o setor tem funções limitadas e um baixo número de funcionários, a carreira em Y tende a ser mais aplicada.

Assim, é necessário compreender em quais setores esse modus operandi melhor se encaixa e começar os testes.

Mantenha os canais de comunicação sempre abertos

Essa parte do trabalho pode ser frequentemente subestimada. Contudo, somente a comunicação é capaz de deixar todos os colaboradores na mesma página.

Assim, é importante sentar com líderes e técnicos para explicar esse novo projeto e dar direcionamentos factíveis para a sua execução.

O que nos leva ao próximo ponto.

Estabeleça metas

É necessário criar um plano de desenvolvimento claro com objetivos e metas para serem alcançados pelos profissionais.

O RH, junto aos líderes, devem estruturar a hierarquia e as condições de promoção para que tudo seja o mais transparente possível, especialmente no momento da implementação.

Aqui a atuação do RH é estratégica para que o colaborador consiga conciliar suas ambições profissionais às necessidades específicas da empresa. Mostrando um caminho claro para ser trilhado e o ajudando na tomada de decisão.

Temos alguns materiais interessantes sobre o assunto, veja:
📚 [Planilha] Avaliação de desempenho por competências
📚 [Planilha e checklist] Pesquisa de clima organizacional
📚 [Ebook] Desenvolvimento de lideranças: invista em uma equipe de sucesso!
📚 [Ebook] Sobrecarga no trabalho: saiba como evitar este mal na sua empresa
📚 [Ebook] Indicadores de RH: dados estratégicos que você precisa acompanhar

Qual a importância dos planos de carreira

O plano de carreiras serve para demonstrar aos colaboradores como eles podem construir o seu futuro profissional dentro da empresa.

De imediato, isso confere um senso de segurança, já que princípios meritocráticos estão implementados na cultura da empresa, demonstrando claramente o caminho que deve ser seguido para alcançar o sucesso profissional.

Funcionando como um norte, o plano de carreira permite que os colaboradores foquem em seus objetivos. 

Isso, por sua vez, também promove o autoconhecimento, especialmente em um ambiente em que a carreira em W é bem estabelecida, permitindo que se possa experimentar diversas atividades.

Como consequência direta, os colaboradores sentem-se mais motivados ao possuírem um mapa claro para seus objetivos profissionais, diminuindo também o turnover de talentos importantes para a empresa.

Assim, quer seja em W ou qualquer outro modelo que apresentamos anteriormente, o plano de carreiras é uma peça fundamental de qualquer negócio que valoriza seus colaboradores e os permite alcançar sua melhor versão.

Agora que você já compreende como a carreira em W pode beneficiar não só a organização, mas também os colaboradores, descubra como implementá-lo utilizando a Proposta de Valor ao Empregado (Employee Value Proposition – EVP).

Teste

Deixe um comentário