Cartão de ponto eletrônico pode ser utilizado no serviço público?

O serviço público também depende do registro de jornada para o garantir os direitos de seus funcionários e, por isso, pode se aproveitar de um cartão de ponto eletrônico para automatizar o processo.

Tempo de Leitura: 3 minutos

Última atualização em 2 de junho de 2017

No serviço público, casos de fraudes na marcação de ponto chamam a atenção da sociedade em geral. Para evitar essa situação e ainda melhorar o controle da jornada dos colaboradores, o cartão de ponto eletrônico é uma boa solução.

A tecnologia de marcação eletrônica é um dos sistemas criados como alternativa ao tradicional relógio de ponto, legalizadas pela Portaria 373 do MTE. Portanto, uma escolha válida e que só tende a favorecer as repartições públicas do país.

Continue a leitura e entenda por que utilizar o cartão de ponto eletrônico no serviço público!

Melhor controle de horas

O controle de horas trabalhadas pode ser precário no serviço público. Em geral, essa situação prejudica o registro correto da jornada de trabalho e das horas extras cumpridas.

Quando o controle de ponto é manual, falhas de marcação podem levar a inconsistências que comprometem a remuneração correta pelas horas extraordinárias.

Além disso, quando a repartição adota o regime de banco de horas, fica difícil ter certeza do total de horas trabalhadas e da quantidade a ser revertida em folgas, por exemplo.

Com um cartão de ponto eletrônico, a marcação é feita de forma simples. Além disso, os dados ficam registrados no software de controle de ponto, facilitando todo o processo de conferência e controle de horas.

Garantia de direitos e deveres trabalhistas

Acompanhar a jornada de trabalho e realizar a marcação de ponto de funcionários é crucial para a garantia dos direitos aos servidores como reduções na jornada ou o pagamento de horas extras. Algo que vai ao encontro da melhoria no controle de jornada laboral, possibilitada pela adoção de um sistema de cartão de ponto eletrônico.

Miniguia Ágil do DP

Além disso, o uso dessa tecnologia garante que as repartições públicas estejam em conformidade com as normas do Ministério do Trabalho. Isso porque possibilita o registro correto das jornadas, incluindo todos os horários de entrada, saída e intervalos.

Facilidade na definição de escalas

As escalas de trabalho são comuns no serviço público, sobretudo em ambientes ligados à área da Saúde, como os hospitais. Ainda que a marcação de ponto seja devidamente feita, a conferência de dados e a organização dos horários pode ser extremamente complicada.

Quem realiza essa função precisa considerar não só a disponibilidade dos servidores, mas o volume de horas extras realizadas por cada um. O objetivo é evitar o aumento das despesas da repartição com a folha de pagamento ou garantir que o regime de banco de horas seja devidamente cumprido.

Um sistema de cartão de ponto eletrônico facilita a coleta, análise e organização dos dados. Consequentemente, torna mais simples a definição de escalas, economizando tempo e até dinheiro.

Geração de relatórios personalizados

Relatórios desenvolvidos com base nos dados das jornadas de trabalho dos servidores são importantes para o RH e para a avaliação de desempenho e resultados da repartição.

Quando o sistema de ponto é manual, a geração desses relatórios demanda um extenso trabalho de combinação de informações e análises. Uma tarefa que demanda tempo e, por isso, pode até prejudicar a qualidade final.

O cartão de ponto eletrônico possibilita a geração automática de relatórios que, inclusive, podem ser personalizados. Assim, decisões estratégicas passam a ser melhor embasadas, levando a resultados mais positivos para a repartição.

Ficou interessado em uma solução que melhore a gestão do cartão de ponto eletrônico da sua equipe? Saiba como automatizar o controle de ponto e ganhe tempo para o RH estratégico!

Teste grátis por 14 dias