Gestão Comportamental: o Que É e Como Implementar

A gestão comportamental coloca o colaborador como foco da empresa, percebendo o indivíduo e incentivando o desenvolvimento das competências e dos talentos já presentes. Com isso, valoriza o funcionário e aumenta os resultados do negócio.

Tempo de Leitura: 16 minutos

Última atualização em 7 de outubro de 2021

O mercado empresarial tem alterado bastante nos últimos anos e isso é um reflexo da mudança na mentalidade dos profissionais e empresários atuantes. 

E, diante disso, a gestão comportamental vem como uma forma de lidar melhor com tantos desafios. 

A principal mudança trazida pela gestão comportamental é o foco da empresa, que passa a dar uma maior atenção ao desenvolvimento de habilidades e à motivação dos colaboradores, e também a promover um ambiente de trabalho saudável e motivador. 

O setor de RH é o responsável por essa mudança de posicionamento, assumindo a responsabilidade pelo bem-estar dos profissionais e eliminando parte dos processos burocráticos que faziam parte da rotina. 

Com essa nova perspectiva, a empresa ganha com o aumento da produtividade e dos resultados desejados. 

O que é gestão comportamental

O que é gestão comportamental

A gestão comportamental é um método de gerenciamento muito utilizado nos últimos anos que tem como principal objetivo compreender o comportamento dos colaboradores da organização e aproveitar ao máximo suas habilidades. 

Modelo de Contrato Home Office

Esse método de gestão tem uma abordagem mais estratégica e pode ser utilizado por todos os segmentos da empresa para desenvolver equipes mais produtivas e de alta performance. 

A gestão comportamental considera fatores comportamentais em diversos processos importantes, e dessa forma consegue alinhar cada perfil ao cargo ideal, contratando profissionais certos e reduzindo falhas e retrabalho.   

Como surgiu o método de gestão comportamental?

Em 1950, dois estudiosos, Maslow e Herzberg, criaram a gestão comportamental baseada em teorias sobre motivação, objetivos e comportamento humano. 

Desde então ela é aplicada em empresas para favorecer a melhoria da qualidade de vida no trabalho e tem gerado excelentes resultados no ambiente organizacional. 

A metodologia da gestão comportamental está diretamente relacionada à psicologia. A ideia principal é identificar padrões de comportamento e colocar as pessoas nos lugares e funções adequados, aumentando a satisfação do indivíduo e reduzindo o turnover.

Aproveite a visita e veja estes outros artigos:
👉 Trabalho sazonal: como esse modelo funciona?
👉 Veja 10 competências profissionais mais requisitadas pelas empresas
👉 Competências digitais: o que são e qual a importância nas empresas?
👉 Prestação de contas de funcionários: o que é e como otimizar esse processo

A importância da gestão comportamental

Não é novidade que cada pessoa possui personalidades e experiências diferentes, assim como habilidades. Dessa forma, administrar todas essas características não é uma tarefa fácil. 

Mas ela pode ser menos complexa quando o setor de RH conhece o perfil de cada profissional contratado. 

Assim, é possível identificar as possíveis reações, descobrir as melhores formas de desenvolver competências necessárias para cada função e também aproveitar os talentos já existentes da melhor maneira.

A ideia é que cada pessoa consiga utilizar seus talentos, ou seja, suas habilidades naturais, para realizar suas atividades com o menor esforço possível. 

Outro fator favorável da gestão comportamental é o aumento da satisfação profissional dos colaboradores. 

Uma pesquisa feita pelo Instituto Locomotiva, no ano de 2017, levantou um dado alarmante. Cerca de 56% dos profissionais contratados com carteira assinada sentiam-se insatisfeitos com o emprego. 

E as consequências dessa falta de motivação podem ser inúmeras para as empresas, incluindo a baixa produtividade e um aumento da rotatividade de profissionais, que gera aumento de custos também. 

A gestão comportamental é a solução para esses problemas, pois por meio dela a empresa consegue manter o foco no desenvolvimento do capital humano, promovendo treinamentos e programas de aprimoramento que aumentam o engajamento e o bem-estar da equipe. 

Os benefícios da gestão comportamental

O principal benefício da adoção da metodologia da gestão comportamental é a melhoria no clima organizacional e um maior alinhamento entre os profissionais e a cultura organizacional e com os valores da empresa. 

A valorização do capital humano é outro benefício importante da gestão organizacional. 

Quando a empresa compreende o perfil de cada colaborador é possível planejar ações, construir planos de carreira mais assertivos, de acordo com os objetivos de cada profissional. 

Outro benefício importante é facilitar o processo de recrutamento e seleção

Você sabia que, geralmente, as demissões são decididas por causa do comportamento das pessoas, e não por uma falta de qualificação técnica? 

Isso acontece, na maioria das vezes, porque o processo seletivo valoriza mais as qualidades técnicas do que comportamentais do candidato. 

E essa falha acarreta custos altos de demissão e contratação de novos funcionários, além de comprometer o bom funcionamento dos setores. 

É importante mapear o perfil ideal para cada vaga e identificar quais competências são primordiais nos candidatos. 

Por meio dos testes de comportamento, aplicados na gestão comportamental, é possível selecionar os candidatos mais alinhados com os objetivos da empresa e necessidades da vaga. 

A retenção de talentos e o aumento da produtividade são outros dois importantes benefícios da gestão comportamental e partem da mesma questão: quando os colaboradores se sentem valorizados, eles se esforçam para dar o melhor de si em suas funções e não desejam buscar ofertas de outras empresas.  

O que é uma avaliação de perfil comportamental?

A avaliação de perfil comportamental é uma análise minuciosa realizada pelo recrutador e pelo gestor de RH, sobre o modo de agir, de pensar, sobre as atitudes e comportamentos de uma pessoa. 

Essa ferramenta pode ser aplicada em diversos âmbitos, mas nas empresas ela é muito eficiente e importante nos processos de recrutamento e seleção, assim como no desenvolvimento de habilidades dos colaboradores para identificar o perfil de comportamento dos profissionais que compõem uma equipe. 

O perfil comportamental pode ser entendido como um conjunto de características de uma pessoa que determina a forma de pensar e agir de um indivíduo

Algumas habilidades são mais indicadas para determinados cargos e funções e identificar isso facilita a adaptação às funções. 

Uma das principais formas de traçar o perfil comportamental das pessoas é por meio da metodologia DISC. Nela são definidos fatores de comportamento diferentes: Dominância, Influência, eStabilidade e Conformidade. 

Todas as pessoas apresentam algum nível de cada um desses fatores, e a combinação deles é que forma o padrão de comportamento. 

Quais são os principais perfis de comportamento?

Conhecer os perfis de comportamento é fundamental para aplicar corretamente as avaliações comportamentais. 

Eles indicam uma tendência de comportamento de uma pessoa e podem ajudar a prevenir problemas e encontrar melhores formas de lidar com o indivíduo. Veja os principais perfis de comportamento.

Comunicador

Como o próprio nome já diz, esse perfil possui grande capacidade comunicativa e facilidade em estabelecer novas conexões com outras pessoas

É excelente em promover grupos unidos e engajados e tem maior facilidade para funções de ensino ou mentoria. 

Por outro lado, não gosta de receber críticas negativas e é bastante vaidoso. Geralmente tem dificuldades em cumprir prazos. Gosta de se manter próximo da gestão imediata.

Executor

Esse perfil é muito competitivo e forte, provocando um sentimento de admiração e motivação em quem está em volta. 

São pessoas em constante busca por melhorias e muito proativos, tornando-se ótimos líderes. 

Os executores possuem dificuldade para lidar com perfis mais dispersos e lentos. A falta de paciência e as atitudes precipitadas podem prejudicar sua gestão de equipes. 

Planejador

São pessoas que gostam de ter previsibilidade. Elas têm aversão às mudanças repentinas, sentindo-se desconfortáveis e reduzindo a produtividade. 

Esses profissionais devem evitar ocupar cargos muito dinâmicos, que exigem flexibilidade e agilidade, assim como lidar com cenários que mudam constantemente. 

Entretanto, os planejadores sentem grande empatia por outras pessoas, tornando-se, portanto, excelentes para encontrar soluções para problemas coletivos. 

Analista

É o mais perfeccionista de todos os perfis. Priorizam o trabalho bem executado e detalhado, com entrega de alta qualidade. Esse comportamento pode gerar conflitos com gestores acelerados e práticos.

As pessoas com perfil analista estão em contínuo processo de aprendizagem, sempre buscando novos conhecimentos. Em situações de conflito, elas preferem se omitir até conhecer melhor a situação.  

Os principais desafios a gestão comportamental

Desafios da gestão comportamental

Lidar com as subjetividades dos funcionários e conciliar as suas necessidades com os objetivos da empresa exige trabalho e atenção constantes. 

Veja quais são os principais desafios de gestão das empresas e como a gestão comportamental pode ajudar.

Humanização das relações X resultado

Com o mercado tão competitivo, é fundamental poder contar com os melhores profissionais, e para isso a empresa precisa ter uma postura mais humanizada em relação ao seu quadro de funcionários. 

A gestão comportamental considera os potenciais de cada colaborador e também suas limitações. 

Compreende quais emoções e ações influenciam na produtividade e também que é impossível dissociar a vida pessoal da profissional.  

Essa visão humanizada dos colaboradores muda a relação da empresa com seus funcionários, deixando de considerá-los apenas como números e crachás, e entendendo cada um com toda sua complexidade. 

Produtividade x aprendizado

A busca constante por aumentar a produtividade e o desempenho nas empresas, muitas vezes acaba esbarrando na necessidade de oferecer treinamentos aos funcionários. 

É comum que esse tempo utilizado no aprendizado seja visto como algo não tão importante, e acabe sendo deixado para depois, para evitar a “perda” no posto de trabalho durante alguns dias. 

Mas o que precisa ser percebido é que, quando o colaborador não recebe a capacitação adequada, a empresa perde uma grande oportunidade de trazer melhorias para o negócio. 

O checklist que todo RH precisa!

É importante perceber quais treinamentos são importantes e podem oferecer aplicação prática relevante para a empresa, e isso somente pode ser feito por meio da avaliação comportamental, que ajuda a identificar talentos e pontos fracos em cada colaborador. 

Treinamentos X custos

Mais um desafio, ainda relacionado aos treinamentos, é a busca pelo equilíbrio entre a oferta de treinamentos necessários e o controle de custos da empresa. 

Um treinamento pode representar um grande investimento de dinheiro para a empresa, especialmente se for oferecido para um número grande de funcionários, mas existem modelos, como os oferecidos na própria empresa, que permitem o aprendizado dos colaboradores sem aumentar muito os custos. 

Inovação X cultura interna

O mundo está mudando e com ele todas as relações, pessoais e profissionais. A inovação é bem-vinda às empresas, mas não pode ser maior do que os valores já existentes no negócio. 

E um dos grandes desafios das organizações é justamente conciliar a entrada de jovens profissionais, ávidos por inovação e novas ideias, com os princípios da empresa. Quando essas culturas se chocam, o RH precisa atuar como mediador de conflitos.  

A gestão comportamental ajuda a encontrar profissionais adequados, que se conectam com a cultura organizacional, sem perder a vontade de fazer diferente e inovar. 

Temos alguns conteúdos relacionados ao assunto, confira:
👉 Mapeamento comportamental: como implementar em sua empresa?
👉 Analista comportamental: entenda o seu papel no RH
👉 Teste comportamental: como avaliar o perfil de seus funcionários
👉 Gestão por competências: saiba como implementar em sua empresa e quais as vantagens

Ferramentas de gestão comportamental

Mais do que apenas otimizar os processos de desenvolvimento dos profissionais, as ferramentas de gestão comportamental também ajudam os colaboradores a descobrirem mais sobre eles mesmos e a encontrarem motivação para realizar suas atividades. 

Avaliação de desempenho

O objetivo dessa avaliação é analisar e mensurar a performance de cada indivíduo. Por meio dela, a empresa consegue identificar competências e habilidades, além dos pontos deficientes. 

Após obter os resultados, é possível oferecer feedbacks mais precisos e orientar os colaboradores sobre formas de melhoria. 

Pesquisa de clima organizacional 

Ferramenta fundamental para perceber a satisfação e motivação dos funcionários de uma empresa. 

A partir dessas informações, a organização pode promover ações que contribuam para o crescimento de cada um. 

Essa pesquisa pode ser aplicada por meio de formulários ou em conversas diretas. 

Programas de capacitação e desempenho

Usados para desenvolver as habilidades dos colaboradores, contribuindo para a expansão das competências, sejam elas emocionais, técnicas ou de comportamento. 

Também podem ser utilizados para descobrir talentos mal aproveitados, fortalecer a autoestima profissional e demonstrar comprometimento. 

Plano de carreira

Mais do que apenas estruturar processos na empresa, contar com um plano de carreira associado ao plano de cargos e salários é muito importante para atrair e reter talentos para a organização.

Ele contribui para aumentar a motivação e a busca por conquistar novos cargos na empresa.  

Como aplicar em sua empresa

A gestão comportamental oferece inúmeros benefícios, como já falamos, mas a implementação exige o cumprimento de algumas etapas. 

Veja a seguir quais são elas. 

1. Faça o mapeamento do perfil dos colaboradores da empresa 

O primeiro passo deve ser entender o cenário atual da empresa, ou seja, identificar quais talentos a organização já possui e se estão sendo bem aproveitados. 

Para isso é preciso aplicar uma ferramenta de análise de perfil comportamental, para assim construir uma base de dados rica e valiosa para a organização. 

Analise as informações obtidas e as formações de cada equipe em relação aos perfis comportamentais mais frequentes, e ainda a maneira como eles interagem entre si. 

2. Realize um alinhamento do perfil comportamental desejado

O próximo passo é compreender o que cada equipe precisa, quais competências são necessárias para cada função e alinhar os perfis de comportamento ideais de cada cargo. 

Depois, é preciso definir os requisitos de cada função, considerando as demandas em relação à equipe. 

Outra dica importante é pensar na função e em como deve ser o comportamento do seu ocupante diante das situações a que ele será exposto no dia a dia. 

A ideia é combinar perfis para gerar os melhores resultados para a equipe e para a empresa. 

3. Compare e desenvolva os perfis dos funcionários

Invariavelmente, após confrontar as informações sobre as competências ideais de cada cargo com quem já ocupa, ou com o que é desejado para a equipe, aparecerão lacunas. 

O importante é resolver de maneira a causar o menor impacto possível para os envolvidos. 

Comece por situações mais conflituosas, como pessoas com perfil mais retraído ocupando cargos de liderança em áreas que exigem maior atividade, por exemplo. 

Essas mudanças são pequenas, quando comparadas ao todo, mas geram grande impacto positivo. 

Sempre opte, prioritariamente, por realocar os funcionários menos adequados para outros cargos que se encaixem melhor com o perfil da pessoa. 

Em outros casos, também pode ser uma escolha a oferta de um programa de desenvolvimento específico etc. 

Após passar por esses casos mais urgentes, continue o refinamento de maneira gradativa até que toda a empresa esteja alinhada com as conclusões das análises comportamentais. 

4. Invista na posição de líderes

As posições de liderança precisam de uma atenção maior, pois elas precisam seguir essa linha de gestão. 

O RH comportamental deve ser um ponto de apoio, mas a relação direta é alcançada entre os líderes e seus colaboradores. 

Sendo assim, a formação de líderes comportamentais também é um passo importante na reestruturação da gestão comportamental. 

Eles precisam compreender as diferentes formas de lidar com cada perfil, para alcançar os melhores resultados. 

5. Defina metas e métricas para análise posterior

A implementação da gestão comportamental é o início da jornada e é fundamental acompanhar os resultados e verificar a assertividade das ações realizadas. 

A definição de metas é essencial para que cada profissional saiba o que é esperado e elas devem ser construídas considerando os pontos fortes e fracos de cada pessoa. A motivação vem do desafio naquelas funções em que a pessoa se sente confiante.

6. Incentivar a comunicação entre as equipes

A comunicação eficiente é muito importante para a implementação da gestão comportamental. 

O ideal é que sejam organizadas reuniões frequentes sobre a metodologia e seja criada uma cultura de feedback. 

A gestão comportamental e as mudanças

As mudanças são inevitáveis, mas nem todas as pessoas lidam bem com elas. Por isso também é função do RH preparar os colaboradores e a empresa para que essas mudanças aconteçam de maneira suave e adequada.

E a gestão comportamental também é importante nesse aspecto. Veja como ela pode ajudar.

Realizando um planejamento adequado e antecipado

É fundamental considerar cada etapa do processo de mudança, prevendo cenários e possíveis problemas a serem enfrentados.

Nesse planejamento, preveja a tendência de reação dos profissionais envolvidos. Algumas pessoas são mais inseguras, outras mais impulsivas, e tudo isso pode prejudicar o clima organizacional se não for bem pensado. 

Conhecendo os perfis comportamentais, é mais fácil identificar quais pontos precisam de maior atenção e a tomada de ações preventivas. 

O diálogo sempre é uma boa saída para fortalecer a confiança e reduzir os possíveis impactos negativos de uma mudança. 

Adequando as estratégias de mudança com base nos perfis de comportamento

Quanto maior é o conhecimento sobre as pessoas de uma equipe, mais viável é prever e evitar problemas. 

Em alguns casos, é preciso alterar alguma ordem de execução ou permitir que uma etapa seja prolongada para garantir que os profissionais sintam-se mais confortáveis com a transição. 

Estabelecendo novos processos 

Mudanças afetam toda a empresa, independente do teor dela. Nos casos de fusões ou incorporações, por exemplo, pode haver choque de culturas organizacionais e também ser necessário reestruturar equipes e setores. Essa movimentação pode causar muita insegurança. 

A análise de perfil comportamental é a chave para compor da melhor forma as equipes que permanecerão na empresa e esse é o melhor momento para determinar novas regras. 

Temos alguns materiais sobre o assunto, não deixe de conferir:
📚 Pesquisa de clima organizacional ― planilha e checklist
📚 Indicadores de RH: dados estratégicos que você precisa acompanhar
📚 Bem-estar no trabalho: como garantir um ambiente saudável na empresa
📚 Como engajar colaboradores para diminuir as taxas de absenteísmo e turnover?

A tecnologia e a gestão comportamental

Hoje já existem diversas ferramentas que auxiliam as empresas a realizar essa avaliação comportamental. 

Elas ajudam a otimizar esse processo de análise, facilitando a identificação de lacunas nas empresas. 

E esses recursos podem ser utilizados em diversas fases do processo, inclusive no acompanhamento do cumprimento das metas e objetivos definidos. 

Conclusão

A gestão comportamental é uma forma de aproveitar os recursos humanos de uma empresa de maneira inteligente e estratégica. 

O uso dessa metodologia oferece benefícios para todos na organização e contribui para que o negócio alcance os resultados desejados mais rapidamente. 

Agora você já sabe tudo sobre gestão comportamental. Aproveite a visita e baixe o e-book sobre avaliação de desempenho por competências!

Teste grátis por 14 dias

Deixe um comentário