Design Thinking para RH: Aplicando o Conceito à Gestão de Pessoas

O design thinking busca empatizar com os problemas a fim de gerar soluções visionárias para solucioná-los através de uma metodologia que permite a troca de ideias e incentiva a colaboração.

Tempo de Leitura: 14 minutos

Última atualização em 6 de janeiro de 2021

A área de recursos humanos vem passando por uma série de revoluções em sua forma de funcionar e, hoje, ocupa um lugar estratégico no centro da gestão de empresas.

Assim, conceitos cada vez mais modernos são introduzidos no RH e é o caso do design thinking. Essa é uma nova metodologia que tem sido implementada nesse setor no mundo inteiro e auxilia na rotina dos colaboradores.

Essa metodologia é uma ferramenta que permite encontrar novos caminhos para resolução de problemas e conquistar os resultados almejados pela empresa.

Curioso para compreender como funciona o design thinking para RH e como ele pode mudar a forma com que o setor da sua empresa opera? Basta continuar lendo este texto.

Entenda o que é design thinking

Entenda o que é design thinking

Antes de aplicá-lo no setor de RH, precisamos compreender o conceito de design thinking.

A utilização dessa metodologia envolve o trabalho em equipe com um único objetivo: a solução de problemas através do pensamento crítico.

Desenvolvimento de lideranças

Essa é uma abordagem centrada no ser humano e sua natureza multidisciplinar e visa conduzir todos os envolvidos a encontrar soluções verdadeiramente inovadoras. 

Dessa forma, a tomada de decisão se torna mais assertiva através de um ambiente propício à geração de insights construtivos.

Inovar é uma obrigação constante para empresas que pretendem ter uma verdadeira vantagem competitiva no mercado. 

Assim, tornar as ações mais eficientes e direcionadas realmente faz uma grande diferença no momento de alcançar esse objetivo.

Charles Burnette, uma autoridade no assunto, faz a seguinte afirmação sobre design thinking:

Um processo de pensamento crítico e criativo que permite organizar informações e ideias, tomar decisões, aprimorar situações e adquirir conhecimento”.

Para alcançar esse objetivo, autores no assunto ainda não encontraram uma receita que serve para todas as empresas. Contudo, algumas etapas comuns à grande maioria são estas seis:

  1. empatizar;
  2. definir;
  3. idealizar;
  4. prototipar;
  5. testar;
  6. implementar.

Não precisa se preocupar com essas etapas neste momento, iremos falar sobre todas elas em detalhes à frente.

Aproveite que está por aqui e confira também:
👉 Tudo sobre o setor de recursos humanos
👉 As principais soft skills para o mercado pós-pandemia
👉 RH 4.0: como se adaptar ao futuro da gestão de pessoas?
👉 Entenda como melhorar o processo de recrutamento na sua empresa

Como surgiu o design thinking?

O conceito dessa metodologia surgiu junto a uma organização de consultoria de inovação empresarial chamada IDEO, por volta de 1991.

A assessoria propunha uma abordagem diferenciada para enfrentar os problemas que seus clientes passavam e não demorou a ficar famosa no Vale do Silício.

A consultoria foi fundada pelos professores da Universidade de Stanford David Kelley e Tim Brown que também são responsáveis pela empresa de consultoria.

Esses mesmos pensadores publicaram o livro “Design Thinking – Uma Metodologia Poderosa Para Decretar o Fim das Velhas Ideias”, sendo uma leitura obrigatória para quem quer se aprofundar no assunto.

Veja quais os objetivos do design thinking

Veja quais os objetivos do design thinking

O principal objetivo do design thinking é fomentar, projetar e implementar projetos inovadores dentro de uma organização.

Isso acontece através do casamento entre o pensamento analítico e o pensamento criativo, unindo questões como: método e ideias; dados e direcionamento; pessoas e tecnologias etc.

Ao combinar fatores que naturalmente estão separados, a visão muda de algo simplesmente operacional e ganha uma dimensão estratégica. E essa é a palavra que tem enchido os olhos de diversos gestores atualmente.

O próprio comportamento do colaborador também tende a mudar. Ele deixa de ser reativo (obedecer ordens) e passa a pensar criticamente a respeito de suas tarefas e como melhorar sua contribuição para o desenvolvimento do negócio.

Assim, de forma simples, alguns dos objetivos do design thinking são:

  • identificar e investigar problemas complexos e ambíguos;
  • fomentar o surgimento de soluções inovadoras;
  • fazer com que projetos complexos sejam mais eficientes.

Acompanhe as 6 etapas de implementação do método

etapas de implementação do método

Até o momento essa metodologia parece algo realmente transformador, não é mesmo? Contudo, como usar o design thinking na empresa? Essa é uma das perguntas que responderemos neste tópico. 

Começaremos a explicação com a imagem abaixo que traz os três momentos do design thinking, que são compreender a necessidade (imersão no problema), explorar as soluções (idealização) e materializar as decisões (implementação).

Dentro desses momentos, temos seis ações que foram as que conversamos a respeito anteriormente e vamos falar em detalhes abaixo.

etapas de implementação do design thinking

Etapa 1: empatizar

Antes de solucionar um problema para qualquer pessoa (ou organização), é necessário compreender a fundo o que é esse problema e por que ele incomoda.

O Dicionário Informal traz o significado de empatia como “Capacidade de compreender o sentimento ou reação da outra pessoa imaginando-se nas mesmas circunstâncias.”

Assim, nessa etapa do design thinking, é necessário compreender as necessidades específicas, as dores e os anseios das pessoas.

Um exemplo ligado ao RH é compreender as necessidades específicas dos times já formados na empresa a fim de abrir um processo seletivo que procure indivíduos complementares.

Etapa 2: definir

Após uma série de entrevistas com os interessados, é a hora de definir qual é o problema que será abordado pelo time utilizando a metodologia de design thinking.

É importante ter em mente que muitos dados podem ser levantados, sendo assim, a capacidade de síntese da equipe será testada. 

Após chegar em um problema claro durante a análise, é interessante apresentar aos interessados para conferir a assertividade da equipe.

Esse estágio precisa ser preciso, pois ele vai determinar o curso das ideias e também o escopo das soluções que serão desenvolvidas.

Uma dica interessante é humanizar os problemas. Por exemplo: em vez de ter um problema como “diminuir em 5% o turnover em 3 meses”, algo como “melhorar o engajamento e a motivação dos colaboradores para evitar o turnover”.

Etapa 3: idealizar

A terceira etapa do design thinking é quando as ideias começam a fluir. Aqui, você já entende as necessidades dos usuários (interessados) e também tem um problema muito bem definido.

Nessa fase é possível adotar inúmeras metodologias de geração de ideias a fim de aumentar a possibilidade de ter abordagens inovadoras. Algumas dessas são:

  • brainstorm;
  • brainwrite;
  • worst possible idea (pior ideia possível);
  • SCAMPER.

Essas são somente algumas metodologias de ideação, escolha aquela que mais tem potencial de gerar ideias relevantes para o problema.

Etapa 4: prototipar

O time de design agora vai trabalhar em uma versão reduzida da solução encontrada nas sessões de ideação.

O objetivo é criar uma versão que será capaz de fornecer todas as informações que a equipe está buscando e, por último, solucionar o problema em questão.

Um exemplo é criar um formulário para o teste de clima organizacional preliminar antes de mudar o sistema da empresa.

Uma vez que os protótipos da solução estiverem prontos, podemos partir para a próxima etapa.

Etapa 5: testar

Essa é a fase que vai garantir que a solução proposta realmente terá o resultado esperado. Claro, não é possível ter 100% de certeza sobre sua eficiência, mas o teste deixará a corporação em uma situação muito mais segura.

Durante os testes, então, são encontrados vários problemas e a solução é refinada ou reimaginada para que realmente solucione o problema dos interessados.

Etapa 6: implementar

Depois que os problemas identificados forem solucionados pelo time de desenvolvimento, resta somente implementar o novo sistema!

Repare que design thinking é um processo não linear

Repare que design thinking é um processo não linear

Agora que você já conhece a linha lógica de um processo de design thinking, está na hora de dizermos que ela não é uma regra.

Planilha de controle de ponto

Em qualquer uma das etapas que apresentamos é possível encontrar um problema que leve o time a voltar várias casas do processo, isso normalmente acontece na etapa de teste, como você pode ver na imagem abaixo.

design thinking não linear

Descubra os benefícios do design thinking para a empresa

Descubra os benefícios do design thinking para a empresa

Os resultados esperados do design thinking envolvem colaboradores mais participativos e uma empresa mais eficiente de modo geral.

Veja abaixo os principais benefícios dessa metodologia!

1. Promoção da cultura organizacional

A fim de fazer com que as pessoas colaborem dentro da empresa, é necessário ter uma cultura organizacional que estimule a transparência e o trabalho em equipe.

Não somente, engajamento é fundamental para que o design thinking realmente funcione. 

Dessa forma, essa metodologia tem a capacidade de estimular o aparecimento de diversas características que todo o gestor quer em seu time, favorecendo a cultura organizacional.

2. Estímulo ao pensamento fora da caixa

Estimular a criatividade entre os colaboradores talvez seja um dos principais motivos pelos quais essa metodologia é implementada nas empresas.

Através do design thinking é possível criar um ambiente seguro para que ideias relativamente bobas possam ser jogadas ao ar e inspirar verdadeiras mudanças. 

Esse tipo de ambiente permite que diferenciais sejam desenvolvidos internamente e não no mercado.

3. Custo-benefício

Essa é uma daquelas abordagens que têm um grande potencial e não tem custo nenhum de implementação, afinal de contas, trata-se somente de um conceito. 

É necessário apenas investir tempo na capacitação de todos sobre como o design thinking funciona.

4. Aumento da segurança

Acima falamos que parte importante do design thinking é justamente o teste das soluções desenvolvidas. Dessa forma, as chances de elas serem frívolas são bastante ínfimas.

5. Aumento do engajamento

Para que a metodologia foco deste artigo seja realmente eficaz, algo não pode faltar é comunicação efetiva e engajamento de todos os envolvidos na busca pelas soluções.

Seja em reuniões com os colaboradores, sessões de feedback individuais ou mesmo em atas, a comunicação deve ser um ponto de cuidado já que ela é responsável por deixar todos na mesma página.

Isso cria um ambiente muito mais colaborativo e estimula os colaboradores a se engajarem cada vez mais na criação de uma empresa onde eles mesmos querem trabalhar. Esse ponto, inclusive, nos leva à próxima vantagem.

6. Aumento da assiduidade

Mesmo que a assiduidade seja uma obrigação contratual, muitas empresas enfrentam problemas ao fazer com que os seus funcionários compareçam aos seus postos diariamente.

Existem várias maneiras de estimular a assiduidade, mas poucas são tão eficientes quanto uma equipe motivada e engajada.

Em muitos casos, a falta de motivação vem do fato de os colaboradores não enxergarem um futuro dentro da empresa ou não se sentirem uma parte importante dela.

Assim, esse método de resolução de problemas é uma forma de envolvê-los e mudar esse cenário.

7. Aumento de produtividade

Com mais assiduidade, engajamento e motivação, a tendência é que os colaboradores se tornem mais produtivos e gerem mais resultados.

Ademais, o próprio desenho do design thinking leva em consideração a geração de resultados e a melhoria do processo de criação. Assim, não restam dúvidas de que a empresa tende a produzir muito mais.

8. Diminuição do turnover

O turnover, assim como a baixa assiduidade, é um grande problema para empresas que acabam tendo muitos gastos com novos processos de seleção. 

Não somente, a perda de talentos e profissionais já treinados também representa uma redução financeira.

Assim, uma forma de combater esse caro problema é justamente por meio de metodologias mais ativas e que engajem os colaboradores na resolução dos problemas.

Engajamento acompanha uma maior motivação e essas qualidades podem ser um grande diferencial para a sua empresa no mercado. 

Isso faz com que colaboradores escolham ficar na empresa mesmo com propostas financeiramente mais vantajosas.

Design thinking para RH: entenda como funciona esse conceito no setor

Design thinking para RH: entenda como funciona esse conceito no setor

Agora que você já compreendeu bem o que é a metodologia que falamos neste texto, vamos nos aprofundar mais no que é design thinking no RH.

O RH é um dos setores onde esse método pode realmente fazer uma diferença gigantesca na formação de equipes. 

Isso porque essa área é a responsável pela contratação de novos colaboradores, mais uma vez ressaltando o diferencial estratégico.

Mas a inovação dos processos não fica só aí, o design thinking é uma forma de escapar do pensamento tradicional em qualquer tarefa. 

Assim, o RH pode inserir a metodologia a fim de repensar tarefas como avaliações de desempenho e até mesmo treinamentos.

Ademais, podemos ainda dizer que essa abordagem tem o potencial de mudar o RH em seu cerne.

Ela tem a capacidade de desenvolver um modelo humano de gestão e mindset focado no desenvolvimento de experiências significativas.

Quando olhamos para a experiência de trabalho dos próprios colaboradores do departamento de RH, vemos um maior engajamento e motivação para as tarefas diárias e uma maior vontade de inovar.

Dicas para iniciar essa metodologia no Departamento de Recursos Humanos

Algumas dicas podem ser bastante úteis quando você estiver implementando o design thinking no dia a dia do RH. Confira algumas delas!

Tenha real empatia

É comum que, ao conversar com um indivíduo, o entrevistador projete sua própria experiência de vida e desvirtue o que o candidato está falando. 

Isso é completamente natural, afinal de contas, nós somente somos capazes de compreender os fatos da vida com base em nossas próprias experiências.

Assim, esse é um dos principais vieses quando se aplica o design thinking, e é importante estar atento ao problema do outro.

Bagagens diversas só agregam

O design thinking preza por um local livre para troca de ideias e experiências. Assim, indivíduos com histórias de vida diferentes têm uma maior diversidade para trazer à mesa.

Isso também faz com que as soluções desenvolvidas tenham maior probabilidade de serem verdadeiramente inovadoras.

Nunca deixe de testar

Uma vez que as soluções tenham sido desenvolvidas, a fase de teste é o que dirá se elas são realmente efetivas para combater o problema.

Nem precisamos falar que deixar o teste de lado é uma receita para o desastre, não é?

Conclusão: design thinking é um mindset

Seja no RH ou em qualquer outro local da empresa, a adoção do design thinking como ferramenta para solucionar problemas traz inúmeros benefícios para a organização.

Um dos maiores legados que essa metodologia traz é a criação de um local seguro para compartilhar ideias e analisar questões. Tudo isso estimulando a integração de todos em busca de uma solução inovadora.

Por isso, o design thinking é tido como um mindset em vez de uma metodologia propriamente dita, já que ele visa mudar a mentalidade da empresa na forma de abordar problemas e sugerir soluções.

Está pronto para implementar o design thinking em seu departamento de RH? Então aproveite para conferir as mais modernas tendências para o setor de Recursos Humanos e comece uma revolução na sua empresa!

Faça um teste Grátis

Deixe um comentário