Capital intelectual: a verdadeira vantagem competitiva das empresas

Em um mercado competitivo, em que muitas empresas disputam e concorrem por clientes, o capital intelectual envolvido em seu quadro de funcionários pode ser o grande diferencial.

Tempo de Leitura: 5 minutos

Última atualização em 18 de maio de 2018

Empresas são organizações formadas por e para pessoas. Elas servem a um propósito na sociedade e só o atingem quando têm um bom time de profissionais como base.

É por esse motivo que o capital intelectual é a nova vantagem competitiva das empresas.

Confira agora a importância do capital intelectual para a sua organização e como investir nas pessoas que fazem do seu negócio um sucesso!

O que é capital intelectual?

O capital intelectual de uma empresa é formado pelas pessoas que a compõem e pelo conhecimento especializado gerado por elas.

Também engloba a cultura organizacional, o aprendizado ganho ao longo do tempo, os sucessos e insucessos que, de alguma forma, contribuíram para que a companhia chegasse até aqui.

Desenvolvimento de lideranças

Nesse sentido, podemos dizer que o capital intelectual é um ativo intangível, porém essencial para a perpetuidade do negócio, pois ajuda a construí-lo e melhorá-lo com o passar dos anos.

Podemos dividir o capital intelectual de uma organização em três grandes grupos: recursos humanos (funcionários); estrutural (conhecimento gerado internamente); e clientes.

Por que fazer a gestão do capital intelectual

A dinâmica mercadológica exige empresas ágeis, que respondam rapidamente às inovações e às mudanças no comportamento do consumidor.

E essas respostas começam com profissionais qualificados, cientes dos objetivos organizacionais e engajados em conquistá-los.

Nesse sentido, é preciso ir além do habitual, como calcular a jornada de trabalho corretamente, e desenvolver estratégias de atração e retenção de talentos, de qualificação profissional e promoção de um clima organizacional favorável para que a equipe produza mais, melhor e com maior satisfação.

No que tange à parte estrutural, que podemos chamar de gestão do conhecimento corporativo, é necessário fazer o conhecimento circular e registrá-lo de modo que ele não se perca mesmo havendo rotatividade de funcionários.

Para tanto, o investimento em tecnologia se faz essencial. À medida que processos são automatizados e melhorados, é preciso mantê-los vivos na organização.

Isso pode ser feito por meio da criação de um portal na intranet da empresa onde constem todas as informações e também por meio de treinamentos periódicos, visando a socialização do conhecimento.

É importante que a gestão do capital intelectual da empresa seja feita para que a evolução e o aprendizado da mesma não se percam com o tempo.

Desta forma, é possível avaliar o passado, aplicar melhorias no presente e projetar um futuro de sucesso para a organização.

Zelar pela satisfação dos clientes também é importante para qualquer companhia, afinal, deles depende a geração de riqueza.

E mais uma vez, podemos perceber que o capital intelectual é a verdadeira vantagem competitiva das empresas.

Clientes felizes, que participam de experiências inesquecíveis junto a uma marca, geram maior valor para a empresa, tanto no aumento do ticket médio quanto na atração de novos clientes por meio de recomendações.

Desenvolvimento de lideranças

Eles também prolongam seu lifetime value (tempo de vida) através da fidelização, o que contribui significativamente para a reputação da sua marca e, claro, seu financeiro.

Perfil das empresas que veem o capital intelectual como uma vantagem competitiva

As organizações que consideram o capital intelectual seu maior ativo reúnem algumas características em comum. Confira:

Valorizam seus ativos

A valorização das pessoas e do conhecimento gerado internamente faz parte do perfil das empresas que investem em seu capital intelectual.

Elas não estão preocupadas se cargo de confiança tem direito a horas extras somente pelo financeiro, mas também porque querem estar em conformidade com a lei e oferecer as melhores condições de trabalho para seus funcionários.

Elas também criam maneiras de recompensar as pessoas que fazem a diferença em suas trajetórias, seja com remunerações variáveis, premiações ou planos de cargos e salários.

A ideia não é apenas recompensar um esforço adicional, mas mostrar que tanto empresa quanto profissional podem crescer juntos.

Investem em inovação

A inovação faz parte das empresas que consideram o capital intelectual como um diferencial competitivo porque elas sabem que inovar é estar um passo à frente no mercado.

O investimento em tecnologias que facilitem os processos e deixem as pessoas mais livres para pensar estrategicamente, como softwares para cálculo de horas online, faz parte da cultura organizacional e é bem visto por todos, afinal, os benefícios são colhidos por toda a equipe.

A integração entre tecnologias, como o sistema de ponto online e a folha de pagamento, por exemplo, dá maior velocidade aos processos e garante maior confiabilidade às informações, contribuindo para a manutenção da vertente estrutural da gestão do capital intelectual corporativo.

Sabem a importância da qualificação

Empresas cientes da importância do seu capital intelectual também sabem a importância de manter seus recursos humanos qualificados, seja por meio de treinamentos internos ou externos.

Quanto mais conhecimento for gerado e aprendido, maior será o diferencial da organização frente aos seus concorrentes.

Sendo assim, essas companhias investem em universidades corporativas e parcerias estratégicas para o aumento do know-how dos profissionais que dela fazem parte, pensando não apenas no quão benéfico será para o negócio, mas também no quanto é importante para um profissional sentir-se valorizado e ter incentivo educacional.

Apostam em uma comunicação clara e transparente

A comunicação é a base de qualquer relacionamento, seja pessoal, profissional ou comercial. Diante disso, para fazer do capital intelectual sua verdadeira vantagem competitiva, também é necessário promover uma comunicação clara e assertiva com todos os stakeholders (públicos-alvo).

Isso significa abrir e manter canais de comunicação que favoreçam o feedback em tempo real, como e-mail, redes sociais, chats, entre outros.

Também requer tato na hora de lidar com questões delicadas, como críticas e reclamações de clientes.

O compartilhamento de resultados, sejam estes positivos ou negativos, também faz parte da rotina de uma comunicação eficaz e de uma gestão do capital intelectual verdadeiramente preocupada com o crescimento de todas as bases da organização.

E você, também considera o capital intelectual a verdadeira vantagem competitiva das organizações? Compartilhe essa ideia com mais pessoas!

Teste grátis por 14 dias